About sexual violence in olympic sports: a study from news reports of different sport sites

Main Article Content

Ana Paula de Queiroz Bambace
https://orcid.org/0000-0002-3221-5239
Anna Beatriz Vargas Panfili
https://orcid.org/0000-0002-4098-5268
Juliana Aparecida de Oliveira Camilo
https://orcid.org/0000-0003-3369-2878

Abstract

The purpose of this research was to map the cases of sexual violence in olympic sports, publicized in different sports sites (FolhaEsporte, ESPN, GazetaEsportiva e El País, GloboEsporte, Lance!,SporTV e Terra), between the years of 2013 and 2018. To accomplish that, a quest for the expressions “sexual violence” and “sexual abuse” was made within the sites, such as the words “Olympic” and “olympism” were also verified. The results show 97 reports in total, mostly in the year of 2018 (56.72% of the total). The number of new reports grows expressively in 2016, that had 11 cases, whereas 2015 had only 3. The numbers kept growing in the following years (2017 showed 26 cases and in 2018, 55 cases were found).  Another thing we should draw attention to, is the number of reports in which the victim sex wasn't identified (44 cases or 45.36% of the reports). Of the 71.13% mapped reports involved Olympic gymnastics, 16.49% were about swimming and 4.12% were related to basketball. A possible explanation for the increasing of report news, could be the Rio’s Olympics of 2016 which gave visibility to several sporting issues, such as denouncing cases of sexual violence in different modalities. This article expects to contribute with the visibility of the subject within the scope of sports, making space for new articles to explore this theme.

Article Details

Section
Original Article

References

1 Melo G, Rubio K. Mulheres atletas olímpicas brasileiras: início e final de carreira por modalidade esportiva. R bras Ci e Mov. 2017;25(4):104–16.
2 Rubio K, Camilo JA de O. Psicologia Social do Esporte. São Paulo: Laços; 2019.
3 Foucault M. Vigiar e Punir. São Paulo: Vozes; 2014.
4 Rubio K, Camilo JA de O. Por quê uma Psicologia Social do Esporte. In: Psicologia Social do Esporte. São Paulo: Képos; 2019. p. 9–18.
5 Rubio K. Do olimpo ao pós-olimpismo: elementos para uma reflexão sobre o esporte atual. Rev Paul Educ Física. 2002;16(2):130–43.
6 Giglio SS, Rubio K. A hegemonia europeia no Comitê Olímpico Internacional. Rev Bras Educ Fís Esporte. 2017;31(1):291–305.
7 Rubio K. Jogos olímpicos da era moderna: uma proposta de periodização. Rev Bras Educ Física e Esporte. 2010;24(1):55–68.
8 Rubio K. O atleta e o mito do herói: o imaginário esportivo contemporâneo. São Paulo: Casa do Psicólogo; 2001.
9 Camilo JA de O, Rabelo I. Precariedade e invisibilidade do trabalho dos atletas de alto-rendimento. In: Rubio K, Camilo JA de O (eds). Psicologia Social do Esporte. São Paulo: Laços; 2019. p. 105–20.
10 Chauí M. Participando do debate sobre mulher e violência. In: Perspectivas antropológicas da mulher. Rio de Janeiro: Zahar; 1985.
11 Piscitelli A. Gênero: a história de um conceito. In: Heloisa Buarque de Almeida HB, Szwako J (org). Diferenças, Igualdade. São Paulo: Berlendis & Vertecchia; 2009. p. 118–46.
12 Araújo M de F. Violência e Abuso sexual na família. Psicol em Estud. 2002;7(2):3–11.
13 WHO – World Health Organization. World report on violence and health. Genebra, 2002 (citado 01 jul 2020). Disponível em: https://www.who.int/violence_injury_prevention/violence/world_report/es/summary_es.pdf
14 BRASIL. Lei no 11.340/06, de 07 de agosto de 2006 [citado 01 jul 2020]. Brasília; Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2006/Lei/L11340.htm.
15 Sanfelice GR, Pinheiro M, Araújo DC De. A (in) visibilidade da prática esportiva feminina na mídia. XVIII Congresso Brasileiro Ciências do Esporte. Brasília; 2013;1–14.
16 Wacquant L. Punir os pobres: a nova gestão da miséria nos Estados Unidos. Rio de Janeiro: Editora Revan; 2003.
17 Salvini L, Souza J de, Wanderley MJ. A violência simbólica e a dominação masculina no campo esportivo: algumas notas e digressões teóricas. Rev bras Educ Fís Esporte. 2012;26(3):401–10.
18 Paim MCC, Strey MN. Marcas de gênero contra a mulher no contexto esportivo [citado 01 jul 2020]. EFdeportes 2006;11(103). Disponível em: https://www.efdeportes.com/efd103/genero.htm
19 Souza MTO, Capraro AM, Jensen L. Olhos masculinos nascidos para a contemplação do belo: a relação entre esporte e mulher na crônica esportiva brasileira. Rev Bras Ciências do Esporte. 2017;39(4).
20 Dolores G, Martins M, Vilela RM. Jogos de armar: narrativas como modo de articulação de múltiplas fontes no cotidiano da pesquisa. In: Spink MJP (ed). A Produção de informação na Pesquisa Social: compartilhando ferramentas. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais; 2014. p. 295–323.
21 Spink MJP. Linguagem e produção de sentidos no cotidiano. Porto Alegre: EDIPUCRS; 2004.
22 Spink P, Ribeiro MAT, Conejo SP, Eliete S de. Documentos de domínio público e a produção de informações. In: Spink MJP (ed). A produção de informação na pesquisa social: compartilhando ferramentas. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais; 2014. p. 207–228.