About gymnastics for all: its history and spread in Brazil

Main Article Content

Priscila Lopes
Michele Viviene Carbinatto
https://orcid.org/0000-0001-6598-9938

Abstract

The International Gymnastics Federation (FIG) is a pioneer among sports institutions and stands out for an interesting consolidation of a practice with a formative and massification perspective in gymnastics: Gymnastics for All (GPT). In the meantime, this research proposes to understand the historical constitution of GfA by linking its trajectory in the FIG, as well as its insertion and spread in the Brazilian context. As methodological procedures, we use documentary research with bibliographic input, with emphasis on official federative documents and publications by theorists in the field of gymnastics. The results show that the primary purpose of the FIG had been to give opportunity for people to do gymnastics, however, this initial mission had been influenced by the resumption of the Olympic Games of Modern Era, in 1896. Therefore, aspects of competitive gymnastics, which moved towards standardization and codification of the gymnastics, have been evident for decades. Gymnastics events that continued in European countries, such as Germany and Sweden, rekindled attention to gymnastics and its perspective for all, it means, for active life of any human being, instilling in the creation – by FIG – of a mass gymnastics event (Gymnaestrada) and subsequently, from a GfA Committee. In Brazil, GfA started to be known through the partnership between federations and universities. Currently, GfA potential still lacks widespread, and this action is almost, exclusively, in charge of Brazilian higher education.

Article Details

Section
Original Article
Author Biographies

Priscila Lopes, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM

Doutora em Educação Física pela Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo (EEFE-USP); Mestre em Educação Física pela EEFE-USP; Docente do Departamento de Educação Física da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM), Diamantina, MG, Brasil.

Líder do Grupo de Estudos e práticas das Ginásticas (GEPG/UFVJM – CNPq).

priscila.lopes@ufvjm.edu.br

http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4730378J1

https://orcid.org/0000-0002-1896-1841

Michele Viviene Carbinatto, Universidade de São Paulo

Doutora em Educação Física pela Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo (EEFEUSP; Docente da EEFEUSP.

References

1 International Gymnastics Federation. About [citado 1 mar 2021]. Disponível em: https://www.gymnastics.sport/site/about.php
2 Ayoub E. Ginástica geral e educação física escolar. Campinas: UNICAMP; 2003.
3 Carbinatto MV, Bortoleto MAC. World Gymnaestrada: a non-competitive mass sports festival. Annals of Congress International Convention on Science, Education and Medicine in Sport (ICSEMICS); 2016; Santos, São Paulo.
4 International Gymnastics Federation. Foundations of Gymnastics. Saskatoon: Ruschkin publishing; 2010.
5 Toledo E, Tsukamoto MHC, Carbinatto MV. Fundamentos da Ginástica Para Todos. In: NUNOMURA M, organizadora. Fundamentos das ginásticas. Várzea Paulista: Fontoura; 2016. p. 21-48.
6 Bezerra LA, Gentil RN, Farias GO. A Ginástica Para Todos na formação inicial: do contexto histórico a produção do conhecimento. Pensar a Prática. 2015;18(3):739-751.
7 Oliveira MS, Nunomura M. A produção histórica em ginástica e a constituição desse campo de conhecimento na atualidade. Conexões. 2012;10(especial):80-97.
8 Langlade A, Langlade NR. Teoria General de La Gimnasia. Buenos Aires: Stadium; 1970.
9 Soares CL. Educação Física: raízes europeias e Brasil. Campinas: Autores Associados; 2004.
10 Soares CL. Imagens da educação no corpo: estudo a partir da ginástica francesa do século XIX. Campinas: Autores Associados; 2002.
11 Soares CL, Madureira JR. Educação física, linguagem e arte: possibilidades de um diálogo poético do corpo. Movimento. 2005;11(2):75-88.
12 Soares CL. Notas sobre a educação no corpo. Educar. 2000;16:46-60.
13 Brochado FA, Brochado MMV. Fundamentos de Ginástica Artística e de Trampolins. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2005.
14 Grandi B. 130 years of FIG: letter from fig president prof. Bruno Grandi. Science Of Gymnastics Journal. 2011;3(3).
15 Parrish C, Nurigth J. Sports around the world: history, culture, and practice. Santa Barbara: ABC-CLIO; 2012.
16 Porsey C. II Olympiad: Paris 1900 (The Olympic Century Book 3). Toronto: Warwick Press Inc.; 2015.
17 International Gymnastics Federation. History. citado 1 mar 2021]. Disponível em: http://www.fig-gymnastics.com/site/about/federation/history
18 Rubio K, O fair-play como valor ético do esporte e sua relação com a ética na Psicologia: haveria alguma diferença? Anais do Simpósio Internacional de Psicologia do Esporte; 2001 São Paulo, Brazil. São Paulo: Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo, 2001.
19 Rubio K, Carvalho A. Areté, fair play e o movimento olímpico contemporâneo. Revista Brasileira de Ciências do Desporto. 2005;3(3):350-357.
20 Patricio TL, Bortoleto MAC, Carbinatto MV. Festivais de ginástica no mundo e no Brasil: reflexões gerais. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte. 2016;30(1):199-216.
21 Souza E. Ginástica Geral: Uma Área do Conhecimento da Educação Física [tese]. Campinas: Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de Campinas; 1997. 163 p.
22 Santos JCE. Ginástica Para Todos: elaboração de coreografias e organização de festivais. Jundiaí: Fontoura; 2009.
23 Mazo J, Gaya A. As associações desportivas de Porto Alegre, Brasil: espaço de representação da identidade cultural teuto brasileira. Revista Brasileira de Ciências do Desporto. 2006;6:205-2013.
24 Carbinatto MV. Ginástica: compreender para implantar! Revista Brasileira de Educação Física e Esporte. 2016;9(9):47-53.
25 Carbinatto MV, Toledo E, Massaro IF. Estrutura e organização da Ginástica para Todos. In: Oliveira MF, Toledo E, organizadoras. Ginástica Para Todos: possibilidades de formação e intervenção. Anápolis: Editora UEG; 2016. p. 43-68.
26 Patricio TL, Bortoleto MAC, Toledo E. Institucionalização da Ginástica Para Todos no Brasil: três décadas de desafios e conquistas (1988-2018). Revista Pensar a Prática. 2020;23.
27 Paoliello E, Bortoleto, MAC; Schiavon L, Fiorin-Fuglsang CM. O perfil da delegação brasileira na World Gymnaestrada de Lausanne/Suiça-2011. Conexões. 2012;10(especial):209-222.
28 Confederação Brasileira de Ginástica. Regulamento Técnico 2019: Ginástica Para Todos citado 1 mar 2021]. Disponível em: https://www.dropbox.com/sh/onmt5ws14kpfeae/AAAv7L8NxleFDioYe8gOd_ufa?dl=0&preview=Regulamento+GPT+-+Gym+Brasil.pdf
29 Toledo E. O papel da universidade no desenvolvimento da ginástica geral no brasil. Campinas. 2005. III Fórum Internacional de Ginástica Geral; 2005 Aug 19-28; Campinas, Brazil. Campinas: Universidade Estadual de Campinas, 2005.
30 Graner L, Paoliello E, Bortoleto MAC. Grupo Ginástico Unicamp: potencializando as ações humanas. In: Bortoleto MAC, Paoliello, P (org). Ginástica para todos: um encontro com a coletividade. Campinas: UNICAMP; 2017. p. 165-198.
31 Pinheiro WC, Matos LS. Ginástica para Todos: educação, lazer e saúde na Amazônia. Corpoconsciência. 2020;24(1):108-121.
32 Toledo E, Silva PCC. A Ginástica para Todos e suas territorialidades. Corpoconsciência. 2020;24(1):71-82.
33 Schiavon LM, Toledo E, Ayoub E, Paoliello E. Uma edição comemorativa: 15 anos de fórum. VIII Fórum Internacional de Ginástica Para Todos; 2016 Oct 13-16; Campinas, Brazil. Campinas: Universidade Estadual de Campinas, 2016.
34 Bortoleto MAC, Toledo E, Ayoub E, Paoliello E. Ginástica: movendo pessoas, construindo cidadanias. Anais do VII Fórum Internacional de Ginástica Geral; 2014 Oct 15-18; Campinas, Brazil. Campinas: Universidade Estadual de Campinas, 2014.
35 Toledo E, Ayoub E, Bortoleto MAC, Paoliello E. Esporte para todos: as dimensões da formação em ginástica. VI Fórum Internacional de Ginástica Geral; 2012 Jul 5-7; Campinas, Brazil. Campinas: Universidade Estadual de Campinas, 2012.
36 Toledo E, Schiavon LM, Ayoub E, Paoliello E, Bortoleto MAC. Ginástica em rede, possibilidades para todos. IX Fórum Internacional de Ginástica Para Todos; 2018 Oct 18-21 Campinas, Brazil. Campinas: Universidade Estadual de Campinas, 2018.
37 Carbinatto MV, Moreira WW, Chaves AD, Santos SP, Simões RR. Campos de atuação em ginástica: estado da arte nos periódicos brasileiros. Movimento. 2016;22(3):917-928.
38 Bahu LZ, Carbinatto MV. Extensão universitária e ginástica para todos: contribuições à formação profissional. Conexões. 2016;14(3):46-70.
39 Leles MT, Nakatani LZC, Souza SG, Lopes LT, Viollati Neto O, Monteiro TS. Ginástica Para Todos na extensão universitária: o exercício da prática docente. Conexões. 2016;14(3):23-45.
40 Lopes P, Fátima CR. A prática de ensino no projeto de extensão “Ginasticando”: uma possível ferramenta para compreensão do saber ensinar Ginástica. Revista Científica Vozes dos Vales – UFVJM. 2012;2:1-17.
41 Sargi AA, Teixeira FC, Teixeira RTS, Broch C, Barbosa-Rinaldi IP. A Ginástica Para Todos na formação profissional em educação física: contribuições a partir da extensão universitária. Corpoconsciência. 2015;19(3):11-21.
42 Lopes P, Leal J, Valiengo A, Gonçalves E, Gomes N, Pessoa T. Ginástica para todos e literatura: realidade, possibilidades e criação. Conexões. 2015;13(especial):127-146.
43 Batista MS, Lopes P, Patricio TL, Henrique NR, Furtado LNR, Carbinatto MV. Ginástica Para Todos: questões sobre uma experiência de aprendizagem crítica. Corpoconsciência. 2020;24(1):194-204.
44 Caetano APF, Dodó AM, Honorato RC, Reis LN. Vivenciando ginástica: analisando as preferências gímnicas na disciplina ginástica geral do curso de Educação Física da Universidade Federal do Ceará. Conexões. 2015;13(especial):197-210.
45 Carbinatto MV, Furtado LNR. Choreographic process in gymnastics for all. Science of gymnastics journal. 2019;11(3): 343-353.
46 Lopes P, Batista MS, Carbinatto MV. Ginástica para Todos e arte: diálogos possíveis na extensão universitária. VII Congresso de Ginástica Para Todos e Dança no Centro-Oeste; 2017 Nov 9-12 Goiânia, Brazil. Goiânia: ESEFFGO, 2017.
47 Sarôa GR, Ayoub E. A constituição e o processo coletivo de criação do Grupo Ginástico Unicamp pelas vozes de seus coordenadores. Conexões. 2018;16(4):414-432.
48 Carvalho KMC, Zylberberg TP, Reis LN, Dodó AM, Pontes JAM. Ginástica Para Todos no Ceará: história da modalidade no estado. Conexões. 2016;14(4):2-24.
49 Ehrenberg MC, Miranda RCF. Cia Alfa de ginástica geral: para além da extensão universitária. In: Miranda RCF, Ehrenberg MC, Bratifische AS (org). Temas emergentes em Ginástica Para Todos. Várzea Paulista, SP: Fontoura; 2016. p. 49-75
50 Oliveira MF, Gomes LCN, Vieira NL, Braga TTM. Construindo uma ginástica para todos em Goiás: a proposta do grupo universitário CIGNUS. In: Oliveira MF, Toledo E, organizadoras. Ginástica para Todos: possibilidades de formação e intervenção. Anápolis: UEG; 2016. p. 119-140.
51 Paoliello E, Toledo E, Ayoub E, Bortoleto MAC, Graner L. Grupo Ginástico UNICAMP – 25 anos. Campinas: Editora da UNICAMP; 2014.
52 Roble OJ. A prática da ginástica: influência da cultura. V Fórum Internacional de Ginástica Geral, 2010 Jul 1-4 Campinas, Brazil. Campinas: Universidade Estadual de Campinas, 2010.